O que é bico de papagaio (osteofitose)?

A osteofitose, ou popularmente chamada de bico de papagaio (devido à semelhança dessa expansão óssea com o bico recurvado da ave), se manifesta quando a cartilagem que envolve os ossos se calcificam, como forma de estabilizar a estrutura desgastada.

Hereditariedade, obesidade, sedentarismo, fraturas e o próprio envelhecimento são algumas das causas do desgaste natural das articulações da coluna. Esse dano diminui o espaço entre as vértebras e, com isso, ocorre atrito nas estruturas e desidratação dos discos, que prejudicam a capacidade de amortecimento.

O problema tem maior incidência na região lombar, mas pode atingir outras partes da coluna e do corpo. 

É completamente natural que com o processo de envelhecimento surjam sinais radiológicos de osteófitos e degeneração dos discos, mesmo sem nenhum sintoma. Esses sinais já podem ser vistos a partir dos 20 anos, porém são raros os casos onde o bico de papagaio é um vilão a se preocupar. E mesmo nos casos onde há dor, o quadro pode ser controlado.

Bico de papagaio exibido na ilustração da região lombar e indicando na coluna vertebral um osteófito.

Ilustração exibindo região lombar e indicando na coluna vertebral um osteófito. Montagem: Adriano Ferreira Web Design

 

Quais são os sintomas dos osteófitos

  • Dor localizada ou irradiada;
  • Sensação de formigamento;
  • Redução da força muscular;
  • Restrição nos movimentos.

Os sintomas mencionados podem aparecer em outras doenças osteoarticulares. Por isso, recomendamos a avaliação com um ortopedista, que poderá solicitar exames de imagem. Esses exames ajudarão a identificar com precisão quais as alterações existentes.

 

Tratamento

A grande maioria dos pacientes com osteofitose obtém sucesso através do tratamento conservador (não-cirúrgico).

Sessões de fisioterapia motora e fortalecimento muscular ajudam a recuperar os movimentos e dar estabilidade às articulações. Além disso, analgésicos e anti-inflamatórios podem ser úteis para aliviar a dor.

 

Prevenção

 

A melhor alternativa continua sendo a prevenção. Quanto antes incorporar o exercício físico na rotina, menores as chances de sofrer com um osteófito no futuro.

Algumas atividades simples e de pouco impacto ajudam a fortalecer a musculatura, como hidroginástica, pilates ou andar de bicicleta. Caso tenha dúvidas, converse com um fisioterapeuta de sua confiança.

 

Resumo: Problema comum em pessoas com mais de 45 anos, devido ao desgaste dos discos da coluna vertebral, é ainda mais frequente quando há excesso de peso ou não pratica atividade física.

 

 

Compartilhar:

Os comentários estão encerrados.